Foto: José Santopalomo

Nesta entrevista, Odile Férnandez fala sobre o seu mais recente livro A Minha Revolução Anticancro, um guia de autoajuda onde a autora, ela própria sobrevivente de cancro com um diagnóstico muito pessimista – e médica – explica como prevenir e lutar contra a doença.

Há 6 anos foi-lhe diagnosticado cancro dos ovários com metástases, cujas possibilidades de sobrevivência eram mínimas. Como se enfrenta um diagnóstico assim?
No início não foi fácil… tinha medo, incerteza, ansiedade e desespero… pensei, até, na morte, mas depois de chorar e deixar sair todas as emoções negativas, ressurgi, como a Fénix, o pássaro sagrado que renasceu das cinzas. Foi aí que a minha atitude para com a doença mudou. Senti um enorme desejo de me curar e de mudar o meu futuro.

Como superou a doença mudando radicalmente a sua dieta e o seu estilo de vida?
Através da cirurgia e da quimioterapia e de algumas alterações na minha dieta / estilo de vida. É o que apelidamos, hoje em dia, de oncologia integrativa. Digamos que, integrei o melhor da medicina convencional com as terapias complementares que, do ponto de vista científico, têm mostrado ser benéficas para os pacientes.

Desde que sofreu de cancro, que alimentos removeu da sua dieta?
Produtos processados. Bolachas, doçaria, pastelaria industrial e comida enlatada.

E quais os alimentos incorporados na sua dieta?
Vegetais, frutas, legumes, sementes e nozes.

Depois de recuperar da doença ficou grávida do seu segundo filho. Durante a gravidez, continuou com a mesma dieta?
Sim, passei a seguir uma alimentação semelhante à que tive durante a quimioterapia. É mais um estilo de vida do que uma dieta.

«Há um grande trabalho interior por detrás da cura»

Os oncologistas que seguiram o seu caso disseram-lhe que teve uma cura quase milagrosa…
Aliás, disseram que eu sou um milagre, mas eu digo sempre que sou um milagre ‘trabalhado’. Há um grande trabalho interior por detrás da cura. Eu cuidei do corpo, da mente e do espírito, além do tratamento proposto.

Até que ponto a dieta pode prevenir o cancro?
Estima-se que 1 em cada 3 cancros pode ser evitado com uma alimentação adequada. A Minha Revolução Anticancro é um livro prático e inovador. Uma mistura de autoajuda com atividades, mas com todo o rigor científico. Este livro pretende remover o estigma negativo da palavra ‘cancro’. Cancro não é igual a morte, dor ou sofrimento.

Este é um livro que nos dá esperança?
Essa é a minha ideia. Quero que a palavra ‘cancro’ deixe de estar associada a morte. Quero que os pacientes comecem a assumir o controlo da sua doença e que saibam que há muitas coisas que podem fazer para cuidar do corpo e da mente, assim como, contribuir para o processo de cura.

Recomenda o seu livro a todas as pessoas que querem começar a cuidar da sua saúde através dos alimentos? 
Sim. Este é um livro prático que nos ajuda a ter uma alimentação mais saudável. Primeiro, porque ofereço informações comprovadas cientificamente sobre quais os alimentos e técnicas culinárias que podem prevenir o cancro e outras doenças, tais como, a obesidade, diabetes ou a doença cardiovascular e, segundo, porque o leitor encontrará receitas para colocar em prática nos novos hábitos alimentares.

Refere, ainda, no livro que existem quatro pilares para a vida anticancro…
Sim. Para mim, é importante termos uma mente calma e pacífica, melhorarmos a nutrição, apostando na dieta mediterrânica, fazer exercício físico, seguir um estilo de vida saudável, sem álcool e tabaco. É também importante dormir entre 7 a 8 horas por dia e escolher cosméticos livres de produtos tóxicos.

«(O cancro) Ensinou-me, acima de tudo, a viver o momento presente»

O que o cancro lhe ensinou?
A estar grata pela vida, a apreciar as pequenas coisas, a amar e a valorizar-me mais. Ensinou-me também a ser mais compreensiva e a tratar os outros com mais amor e compaixão. Ensinou-me, acima de tudo, a viver o momento presente.

Como se sente agora?
Muito bem. Feliz por ser o farol que traz a luz no meio da escuridão de muitos pacientes.

Todos os seus livros têm muito sucesso. Qual é o segredo?
Os meus livros foram escritos por uma mulher que é médica e que teve um cancro. São uma mistura da minha experiência pessoal, mas com todo o rigor científico.

«O yoga e o mindfulness ajudam-nos a ter uma mente calma e equilibrada»

Quais são os fatores que aumentam ou diminuem o risco de cancro?
O que diminui o risco de cancro é uma dieta baseada em vegetais, com abundância de fibras e vitaminas, fazer exercício físico regularmente e deixar de fumar ou beber. O que aumenta é, sem dúvida, uma alimentação rica em produtos processados, alimentos açucarados, bem como, obesidade e excesso de gordura corporal.

Qual é a sua opinião sobre a importância do yoga e do mindfulness?
O yoga e o mindfulness ajudam-nos a ter uma mente calma e equilibrada, levando-nos a enfrentar os problemas da vida de uma forma mais objetiva. Além disso, está comprovado que melhora a qualidade de vida dos pacientes com cancro, pois passam a dormir melhor, ficam menos ansiosos ou depressivos.

 

Por Tânia Martins

Jornalista

Editora HealthAdvisor

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

19 + 5 =