«Concorda com a sua mãe narcisista por razões diversas, mas principalmente para não ser chamada de ‘insensível’ ou ‘egoísta’. Simultaneamente, o medo de ter de enfrentar um episódio de ira narcisista estimula ainda mais a sua atitude conformista. Retrai-se dentro do próprio corpo, a imaginar ter de lidar com a sua mãe, intensamente insatisfeita. Concorda com qualquer coisa para se auto-preservar. Pouco a pouco, é programada a atender somente às necessidades dela, pois vêm sempre em primeiro e único lugar».

(Excerto retirado de Prisioneiras do Espelho, um Guia de Liberdade Pessoal para Filhas de Mães Narcisistas, de Michele Engelke).

Ao longo das minhas sessões tenho-me deparado com alguns casos de adolescentes, filhos de narcisistas. Normalmente, os pais chegam até mim colocando sempre um problema na criança e correm de psicólogo em psicólogo e de técnico em técnico até ouvirem o que mais querem, que o seu filho tem um problema, retirando, assim, a responsabilidade do verdadeiro predador tóxico, o pai ou a mãe narcisista. Estas famílias não respeitam o espaço vital das crianças, elas transformam dinâmicas afetivas livres, em dinâmicas afetivas coercitivas. Muitas destas crianças são as que se chamam ‘bode expiatório’, são aquelas que são responsáveis por tudo o que acontece. Os pais, na realidade, obrigam a criança a pensarem neles, sempre de forma positiva, e, caso contrário, é considerado como uma traição e a criança é automaticamente excluída e abusada psicologicamente, se optarem por caminhos contrários aos seus desejos. Estas crianças têm de adotar comportamentos ao encontro dos seus desejos narcísicos e, normalmente, são estas crianças, que são as mais amáveis e criativas, que desenvolvem um padrão emocional sensitivo e empático acima da média.

Personalidades narcísicas

Personalidades narcísicas só conseguem ver as coisas de uma maneira: à sua maneira. Ou as crianças estão do lado delas ou contra elas. Nós, como terapeutas e técnicos, se estivermos do lado dos pais como aliados somos o máximo, se começamos a questionar e a perceber que muitos dos comportamentos depressivos dos seus filhos vêm da sua própria personalidade, temos a sua ira e, automaticamente, a sua fuga, até encontrarem alguém que lhes diga que a criança tem um problema. No caso de existir irmãos, existe a tendência de colocar um deles como o ‘menino de ouro’, aquele que não faz nada errado e acaba por atender a todas as necessidades destes pais, recebendo, assim, toda a atenção e favoritismo em relação à sua irmã/irmão. Normalmente, são estes ‘filhos de ouro’ que repetem o padrão e se tornam narcisistas.

Elsa Morais é a criadora de um grupo de filhas de mães narcisistas, na realidade ela tem sido a grande apoiante e divulgadora das causas devastadoras nas nossas crianças destes pais com personalidade narcisista. É no grupo que se vê a dimensão e o número de pessoas que descrevem terem sido vítimas, durante anos, destes pais. O mais grave é que estamos a falar de adultos que ainda têm dificuldade de interromper estas ligações tóxicas, pois estes pais destroem a sua liberdade, e autonomia, o que leva a muitos adultos ficarem dependentes destes agressores.

Torna-se urgente perceber que muitas crianças estão silenciadas e sozinhas ao encargo destes pais que diariamente as agridem psicologicamente. Para o exterior, são vistos como pessoas maravilhosas, com profissões normalmente reconhecidas e socialmente aceites, onde conseguem manipular facilmente terapeutas e, até, a própria família e todos os que os rodeiam. Existem leis que só protegem as crianças quando existem abusos físicos, mas ser filho de narcisistas é tão grave que destrói a essência da criança dia após dia.

Pais de verdade conseguem perceber as necessidades físicas e emocionais das crianças, pais narcisistas satisfazem as suas necessidades através das crianças, aniquilando qualquer autoestima.

Acompanho diariamente crianças que optaram por se manter em silêncio, sem expressar as emoções, fecham-se em si mesmas, usando esta forma para se protegerem das constantes agressões psicológicas destes pais. É urgente, nós, terapeutas, coaches, e todos os que trabalham com estas crianças gritarmos e pedirmos que se construam leis que protejam estas crianças, que se crie apoios e estruturas para evitar suicídios, depressões e adultos que repetem o mesmo padrão comportamental.

O coaching e o desenvolvimento pessoal podem ajudar!

O coaching e o desenvolvimento pessoal têm sido fundamentais para estas crianças sobreviverem e perceberem que podem reconstruir a sua individualidade. Confesso que, para mim, não é fácil conviver com estes pais e, por isso, é urgente falarmos sobre este tema. Ser filho de narcisista pode ser extremamente nocivo, pode requerer terapia e um suporte de um grupo de ajuda. Os narcisistas usam táticas triangulares para que todos fiquem do lado deles. Isto pode fazer com que seja mais difícil a criança ter suporte emocional, dependendo da idade, e, por isso, torna-se cada vez mais urgente tomar consciência deste tema.

Às nossas crianças, deixo uma sugestão: cerquem-se de familiares e pessoas que vos façam bem, foquem-se em atividades que vos façam felizes e evitem o contacto com estes familiares. O narcisista não sabe amar e é importante aceitar e fazer o luto de um amor que dificilmente vai existir. Agora, é importante gritar sim e dizer que ninguém o pode impedir de ser amado como merece. Ganhar consciência pode ajudar a resgatar a nossa individualidade e como fada do desenvolvimento pessoal, trabalho diariamente para conseguir que essa consciência chegue ao coração das nossas crianças…

Dedico a todas as crianças e adultos vítimas de pais narcisistas…

 

Por Catarina Cardoso

Coach

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

15 − four =