É comum observar o uso da palavra ‘brincar’ quase de forma indiscriminada no dia a dia, e até com tonalidade pejorativa, como quando alguém é repreendido por ‘estar a brincar em vez de fazer uma tarefa’. No entanto, brincar apresenta-se como uma atividade fundamental para o desenvolvimento saudável da criança. É através do brincar que as crianças aprendem a compreender o mundo, a conceptualizar soluções para os problemas, a desenvolver a linguagem, a cognição e a capacidade de se relacionarem com os outros.

No contexto social atual, numa tentativa de oferecer às crianças atividades que lhes permitam desenvolver competências físicas e intelectuais, parece que nos vamos esquecendo de lhes dar tempo de brincadeira livre, onde possam ir mentalizando e refletindo as suas vidas internas e relacionais. Está muitas vezes subjacente o receio de que a ausência de atividade concreta possa levar a comportamentos disruptivos e início de atividades ‘perigosas’. Porém, a ausência de tempo para brincar é um fator de risco importante para alterações do desenvolvimento e surgimento de sintomas psiquiátricos.

Em paralelo, as crianças de hoje despendem uma quantidade crescente do seu tempo em atividades que implicam a utilização de um ecrã (televisão, vídeos e jogos no PC, tablet ou smartphones). Esta utilização tem vindo a ser associada a atrasos no desenvolvimento da linguagem e a comportamento agressivo. É, por isso, importante transmitir às crianças conceitos saudáveis do uso digital e os pais desempenham um papel essencial no ensino dos mesmos.

E as brincadeiras em família?

Famílias que brincam juntas, aprendem juntas. A participação das famílias incentiva as interações sociais, fortalece as ligações afetivas e a transmissão de ensinamentos. É uma boa maneira de os pais demonstrarem atitudes e valores familiares, uma oportunidade de compartilharem as suas próprias experiências e de compreenderem como os filhos se estão a desenvolver. Brincar é por isso fundamental no desenvolvimento da criança, da família e da sociedade.

 

Por Maria Laureano

Pedopsiquiatra na Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

eighteen − eight =